Dhyana e Samadhi

Dhyana é semelhante a Dharana com a diferença que no segundo o foco da concentração era algo externo (a visualização de uma Mandala por exemplo) e em Dhyana o objetivo é o próprio praticante, ele é o observador e o observado.
Interessante notar que no Budismo, Dhyana em japonês é Zen e na China é Chan - são as  escolas mais conhecidas no ocidente. Vale ressaltar que Buddha ensinou que o Nirvana (superação do apego aos sentidos, do material e da ignorância; tanto como a superação da existência, a pureza e a transgressão do físico) é o ponto mais alto e não Dhyana.

Druva Maharaj, garoto que pela força de sua meditação esquentou
todo o plenta - essa história aparece no Srimad Bhagavatam


O Dhyana no Yoga é especificamente descrito por Sri Krishna no capítulo 6 do famoso Bhagavad Gita, em que explica os diferentes tipos de Yoga ao seu discípulo, Arjuna.

Samadhi é o último passo no Astanga Yoga descrito por Patanjali. É o ápice da concentração, de INBOUND (introspecção). Nesse estágio o praticante se percebe como parte do Brahman (energia suprema), funde sua consciência individual na superconsciência, de acordo com a escola Mayavada. Para os Vaisnavas (outra importante Escola de Yoga indiana), nesse momento realizamos Paramatma (a presença de Deus em cada átomo da criação) e nos lembramos de nosso eterno relacionamento com a Suprema Personalidade de Deus, Krsna.


Maha Purusa, a Suprema Personalidade
de Deus, a meta do Samadhi
Paramatma está dentro de cada átomo da
criação e no coração de todos

 


Pratyahara e Dharana

Seguimos com nosso estudo INBOUND com Pratyahara e Dharana:

Pratyahara é a  abstração dos sentidos externos, em outras palavras introversão. INBOUND é pratyahara, se desconectar do externo e passar a observar dentro. É o estágio que prepara par Dharana (concentração). Pratyahara diminui o ritmo do pensamento reflexivo. Não escutamos o telefone tocar, o gato miando ainda que os sentidos (no caso o ouvido) estejam plenamente saudáveis, o que acontece é que o fio que liga os sentidos a mente se desconecta (para ser reconectado somente após a prática).


Por Dharana  se entende concentração e etmológicamente significa segurar ou reter. A base deste exercício é a concentração em um único ponto, causando a introversão, limitando a atividade mental a apenas a contemplação de um objeto observado. A concentração pode ter como foco uma mandala, um yantra. Existem práticas de dharana para a focalização de partes internas do corpo e a retenção da respiração.

Asana e Pranayama

Hoje temos um vídeo muito especial para vocês a INTRO do Yoga Tour Inbound Chile feita pela noss equipe em janeiro. Vejam só a novidade!




E continuando com nosso Estudo Inbound hoje falamos sobre ASANA.
Patanjali explica que significa uma postura "firme e confortável". Em geral é uma combinação de encaixes do corpo (coluna ereta, ombros relaxados...) que favorece a concentração, respiração adequada e traz muitos benefícios ao corpo. Por exemplo:
  • Aumento da flexibilidade
  • Aumento da força
  • Melhora do equilíbro
  • Redução de estresse e ansiedade
  • Combate dor na lombar
  • Auxilia no tratamento de asma e obstrução crônica pulmonar
  • Dá energia positiva e afasta energia ruim
  • Ajuda a mulheres grávidas
  • Melhora a saúde física e a qualidade de vida da "melhor idade"
  • Ajuda no combate a diabetes
  • Reduz problemas de sono
  • Tratamento para hipertensão
Existem muitas asanas praticadas atualmente e muitas outras se tornaram desconhecidas ao longo do tempo já que o Yoga existe a milhares de anos. Talvez uma das mais conhecidas seja Surya Namaskar, postura de Saudação ao Sol que trabalha principalmente a respiração.

Uma boa asana é formada por:
- Consciêcia da respiração
- Bom preparo físico
- Concentração
- Foco, no olhar
- Intenção na ação

As ASANAS dentro do Sistema Yoga Inbound são importantes tanto quanto Mantra Yoga e meditação.

E continuando com o Sistema do Astanga, seguimos com PRANAYAMA. Confira o artigo que já publicamos sobre esse tema: http://yogainboundsp.blogspot.com.br/2012/03/voce-respira-de-verdade.html

Em breve teremos aula de Yoga Inbound para crianças, aguardem!!



8 Passos de Astanga Yoga: praticando Yama e Niyama

Depois de estudarmos sobre a Respiração, Energia Vital, Mente e Inteligência (consulte os post anteriores) damos continuidade ao Estudo Inbound de hoje.
Começamos a estudar os OITO PASSOS de ASTANGA YOGA de Patanjali que garantem a constância na prática.


Os oito são:
Yama (códigos morais)
Niyama (purificação e estudo)
Asana (postura)
Pranayama (controle da respiração)
Pratyahara (controle dos sentidos)
Dharana (concentração)
Dhyana (meditação)
Samadhi (contemplação)


Hoje veremos os dois primeiros: Yama e Niyama

Yama significa restrição. Isso significa que algo precisa ser restringido, o que é? Há muitas respostas possíveis para essa pergunta e cada um pode pensar sobre esse ponto - como uma meditação inbound da semana. Essa restrição não significa repressão e sim compreensão. Em outras palavras, não devemos nos conter e não fazer determinada coisa e sim compreender se é necessário de fato tal ação.
Por exemplo, uma pessoa descontrolada sempre tem fome e o todo tempo busca comer coisas gostosas. Praticar Yama seria pensar se é necessário comer ou não, analisar o horário, com que consciência e etc.
  1. Ahimsa: Não violência. Abstinência a agredir outros, inocência, não causar dor a qualquer criatura por pensamento, expressão, escrita, em qualquer momento. Esta é o "principal" yama. Os outros nove permitem atingir a sua realização.
  2. Satya: veracidade, palavra e pensamento em conformidade com os fatos.
  3. Asteya: não roubar, invejar, não ter dívidas.
  4. Brahmacharya: conduta ética, continência, abstér-se de ter relações sexuais ilícitas, mantendo se fiel quando casado.
  5. Kshama: paciência, não se sentir impelido pelo tempo, manter a atenção no momento presente.
  6. Dhriti: estabilidade, superação da falta de perseverança, superação do medo, superar a indecisão; mantendo uma tarefa até a sua conclusão.
  7. Daya: compaixão; conquistar o equilíbrio, livrando-se dos sentimentos insensíveis e cruéis com todos os seres.
  8. Arjava: honestidade, retidão, renunciando aos enganos e as injustiças.
  9. Mitahara: moderado apetite, nem comer demais, nem de menos.
  10. Shaucha: pureza, evasão de impurezas no corpo, mente e fala. (Nota: o Yoga Sutras de Patanjali lista Shaucha como o primeiro dos Niyamas).

     Niyama são também regras que orientam a prática interna, desenvolvendo qualidades espirituais



    Os dez tradicionais Niyamas são:
  11. Hri: remorso, ser modesto e mostrar vergonha por seus erros;
  12. Santosha: contentamento; estar satisfeito com os recursos ao seu dispor portanto, não desejando mais;
  13. Dana: dar, sem pensar em recompensas;
  14. Astikya: fé, acreditar firmemente em seu mestre, e os ensinamentos para atingir à iluminação;
  15. Ishvarapujana: culto ao Senhor, o cultivo da devoção através de culto e meditação diária, o regresso à fonte;
  16. Siddhanta shravana: ouvir, estudar os ensinamentos das escrituras, ouvir os sábios da sua própria linhagem;
  17. Mati: cognição, o desenvolvimento de uma vontade e um intelecto espiritual com a orientação do mestre;
  18. Vrata: votos sagrados, cumprir as promessas religiosos, regras e observá-las fielmente;
  19. Japa: recitação, mantras diários;
  20. Tapas: culto da força de vontade para resistência; a fome e sede, calor e frio, manter-se de pé e sentado, etc

Nos Yoga Sutras de Patañjali, os Niyamas são a segunda parte dos oito passos do Raja Yoga.
Eles são encontrados no Sadhana Pada verso 32:
  1. Shaucha: Na codificação tradicional, este item é listado como um Yama; essa palavra significa pureza.
  2. Santosha: contentamento.
  3. Tapas: austeridade e penitência.
  4. Svadhyaya: auto-estudo das escrituras.
  5. Ishvarapranidhana: auto-entrega.





Então o importante é pensar. E pensar é de graça, não fazê-lo custa caro :)

Reconhecendo nossa INTELIGÊNCIA

Continuando nosso estudo Inbound, essa semana o tema é a INTELIGÊNCIA. Lembra quando conversamos sobre a MENTE?

A inteligência é o próximo degrau, é mais refinada que a mente. A função dela é discernir através de um critério. Tomando como exemplo a apreciação de uma obra de arte, como tratamos na semana passada, a mente expressaria sua opinião através dos opostos “gosto” ou “não gosto” / “me serve” ou “não me serve”. Já a inteligência trabalha com critérios, então ela pensaria assim: “porque o pintor se expressou dessa maneira? Que experiência o inspirou? Porque? Como eu faria?” 


A inteligência em sânscrito é chamada BUDDHI. Buddha é assim chamado porque significa “o ilmunidado”. Ele era um rei que viveu com todo o conforto e opulência, não conhecia a miséria material. Um dia ele desejou visitar seu reino e o primeiro que viu ao sair do palácio foi um velho, magro e moribundo. Essa cena foi chocante e o fez perceber que somos temporários e que estamos iludidos. Apos essa reflexão ele foi para o bosque, sentou-se embaixo de uma árvore em postura de meditação e fez o voto de não se mover até alcançar a iluminação. Seu Ele queria descobrir a raiz da ilusão material, do sofrimento. Nesse processo, Maya, a própria Energia Ilusória, aproximou-se e tentou atrapalhar sua meditação. Ela era muito atraente e com muita insistência procurar interromper sua iluminação. Buddha então percebeu que a origem do sofrimento é o DESEJO.
A mente sempre buscar fomentar mais desejos materiais (buscando o conforto, se sentir querido, útil, boa casa, comida e etc) que na realidade são causa de frustração já que ela é obstinada e muito forte. Surge o desejo e no momento seguinte outro desejo e assim por diante... É impossível satisfazer a mente pois ela sempre buscará outro desejo mais intenso... Não é verdade?
Então a inteligência busca através de critérios cercear a mente descontrolada e impor alguns limites. Por exemplo, não é saudável comer muito ou doces a noite. Supondo que a mente esteja fora do controle buscando satisfazer seus sentidos. Com certeza ao ver um delicioso chocolate vai querer comê-lo. É nesse momento que surge a inteligência aconselhando a evitar porque não é saudável comer quando se vai o sol. A inteligência busca manter a harmonia do corpo, do ambiente e também nos relacionamentos. É aquela voz que as vezes escutamos e que sempre nos aconselha.
 E o que a mente e inteligência tem a ver com Yoga? Tudo!


A mente sempre busca o conforto e satisfazer os desejos e a inteligência busca manter a harmonia. Quando praticamos uma asana (postura) talvez seja um pouco difícil, exija concentração, alongamento e resistência... A mente na hora já quer desistir e ir para o relaxamento! Mas a inteligência argumenta que é necessário manter e postura e etc... Simplificando: o Yoga FORTALECE a inteligência fazendo com que ela se desenvolve e possa ser mais forte que a mente.

Descubrindo a mente

Continuando com nossos Estudos Inbound, hoje conversamos sobre a MENTE.

Como vimos no artigo sobre Respiração, o bebê assim que nasce começa a respirar.

E assim que nasce já começa a ter atividade mental! Na realidade o bebê já "pensa" desde muito pequenino! Por isso é importante que a mamãe converse com o feto, estabeleça um laço forte de carinho. Afinal ele já sente tudo...

Qual é a função da mente? Para que serve?


A mente sempre nos deixa em ansiedade, essa é a função dela! Nos perturbar, nos trazer dúvida e tudo isso que nós já sabemos...

Srila Bhakti Pramode Srila Puri Maharaj (mestre de yoga indiano), apresentou uma definição interessante em seu livro, A arte do Sadhana: "A mente é meio pelo qual se percebe as coisas". Em outras palavras, ela tem a função de aceitar ou rejeitar, é o segundo portão (o primeiro são os sentidos e o terceiro é a inteligência), causando o DESEJO.

Por exemplo, ao ver uma obra de arte talvez muitas pessoas pensem: "hmmm, gostei" ou "não gostei por tal motivo". No entanto a arte é muito superior a essa impressão simplista. Porque o pintor usou essa técnica? O que queria passar? Qual o contexto da obra? Essas perguntas ajudam a revelar o significado real.

Então a mente sempre se baseia na DUALIDADE:
- Gosto ou não gosto
- Frio ou calor
- Fico ou saio
- Tal pessoa me tratou bem ou me tratou mal
 e etc.

 O Vedanta-sãra (62.68) conclui:
"A mente é a função do ser interno relativa a decisão (sankalpa) e a indecisão (vikalpa). Junto com os sentidos cognitivos (jñãnendriya), conforme a cobertura mental (mano- maya-kosa)"

O Bhagavad Gita (cap. 6 versos 5 e 6) acrescenta que a mente pode ser amiga ou inimiga:

"Uma pessoa deve se elevar com sua própria mente, e não se degradar. A mente é o amigo do ser condicionado, e seu inimigo também. Para aquele que conquistou a mente, ela é o melhor amigo; mas para a pessoa que fracassou em fazê-lo, sua própria mente será seu pior inimigo."

E para concluir, explica como manter a mente controlada:
11-12. Para praticar yoga, a pessoa deve ir a um lugar isolado, colocar grama kusha no chão e então cobri-la com uma pele de veado e um tecido macio. O assento não deve ser nem muito alto nem muito baixo e deve estar situado num lugar sagrado. O yogi deve então se sentar muito firmemente e praticar yoga, com o controle da mente e dos sentidos, com a purificação do coração e com a mente fixa em um ponto.


13-14. A pessoa deve manter seu corpo, pescoço e cabeça eretos numa linha reta e olhar fixamente para a ponta do nariz. Desse modo, com uma mente dominada, não agitada, desprovida de medo, completamente livre da vida sexual, a pessoa deve meditar em Mim dentro do coração e
fazer de Mim a meta última da vida. Meditação: Importante notar que Krishna recomenda meditar Nele dentro do coração, e não em uma luz ou numa energia impessoal.

15. Assim, com a prática do controle do corpo, mente e atividades, o místico praticante da transcendência alcança o reino de Deus (ou a morada de Krishna) pela cessação da existência material.

16. Não há possibilidade de uma pessoa se tornar um yogi, ó Arjuna, se ela come em demasia ou se come muito pouco, se dorme em demasia ou não dorme o suficiente.

17. Aquele que é moderado em seus hábitos de alimentação, descanso, trabalho e recreação pode mitigar todas as dores materiais com a prática do sistema de yoga. Meditação: É um fato que as práticas de yoga mantém a pessoa em boa saúde tanto mental quanto física.


18. Quando o yogi, pela prática de yoga, disciplina suas atividades mentais e se situa na transcendência, desprovido de todos os desejos materiais, diz-se que ele alcançou o yoga.

19. Assim como uma vela não tremula num lugar sem vento, também o transcendentalista, cuja mente está controlada, permanece sempre fixo em sua meditação no Eu transcendental.



O processo para controlar a mente é fazer YOGA.

Conheça o YOGA INBOUND, faça uma aula experimental gratuita: yogainboundsp@gmail.com

De onde vem nossa energia?

Na semana passada abordamos o princípio de tudo: a respiração.
Continuando com esse estudo básico de Yoga...

De onde vem nossa energia?

Energia significa calor para a física moderna. Nosso corpo é quente, portanto está repleto de energia. Os aparelhos domésticos devem ser conectados a rede elétrica para funcionarem... Mas e nós?
Basta dormir?

Tradicionalmente se explica que a energia (o prana ou o chi da China) é absorvida pelo corpo através:

1. Alimentos:  estão cheios de proteínas, vitaminas e açúcares que proporcionam o funcionamento adequado do organismo.

2. Terra: através do descanso, da conexão com a natureza por exemplo. Posturas como Balasana favorecem essa troca.

3. Ambiente: esse aspecto é um pouco mais sútil e muitas vezes é esquecido. Se refere a consciência da pessoa que come, onde como, do que fala enquanto come e etc... 

A nutrição é um processo que começa internamente.

Não basta comer ou como se diz "encher a pança" é necessário comer alimentos de boa qualidade, com boa consciência e em um lugar adequado.

O que percebemos é que o sistema em que vivemos atualmente não nos permite retirar o máximo do prana possível. Dificilmente conseguimos almoçar algo preparado com carinho e qualidade todos os dias da semana, num ambiente agradável e a conexão com a natureza (que aliás, nos fornece os alimentos!).

Ainda assim, é sempre importante ter conhecimento do ideal para podermos atuar da maneira mais correta possível - sempre considerando tempo, lugar e circunstância.

Vai comer?
Então pense:
O que vai comer?
Onde? Com quem? Pensando em quê?
 


Você respira de verdade?

Essa pergunta pode parecer estranha: respirar de verdade?
Claro que todos respiram, do contrário não estariam vivendo, trabalhando e sorrindo.

É possível respirar de mentira?
*

Começando do princípio, "verdade" é consciência e conhecimento. Logo, respirar "de verdade" poderia ser respirar com consciência. E para essa pergunta a resposta não é tão óbvia.

Lembramos a primeira ação do bebê quando nasce... Chorar? Mas antes de chorar ele RESPIRA.
Qual a última ação antes de deixar nosso corpo material? RESPIRAR.

A mente também nos acompanha em todo o desenvolvimento, desde o pré-natal até a hora da morte (há quem diga que até depois). A respiração e a mente estão sempre conectadas, uma é alterada pela outra. Quando estamos nervosos (com a mente alterada) a respiração fica agitada e vice e versa.

Yoga significa controlar a mente e portanto a respiração. Essa é a importância dos Pranayamas, exercícios respiratórios. Devemos estar o tempo todo conscientes da entrada e saída de ar do nosso corpo, imaginar que essa energia mantem nosso corpo, o sangue fluindo pelas veias e etc...

Respirando bem mantemos a mente equilibrada com facilidade.

Nas práticas de Yoga INBOUND temos exercícios de Pranayama associado com Mantras (sons que liberam a mente).

A imagem abaixo mostra Nadi Shodhana que é acompanhado pelo mantra OM NAMO BHAGAVATE VASUDEVAYA


Venha praticar Yoga INBOUND conosco e se liberte de todo o stress e más energias acumuladas no seu corpo e mente :)

Agende sua aula experimental gratuita: yogainboundsp@gmail.com

Novos horários e valores Yoga Inbound 2012


Temos novos horários para o YOGA INBOUND 2012
 
Nível Básico com Gourangi

Segunda: 9h - NOVO
Terça: 9h - 19h
Quarta: 9h - NOVO


Quinta: 9h - NOVO
Sexta:  9h - 19h

Nível Intermedidário/Básico com Dhira




Segunda: 10h - 20h
Quarta: 10h - 20h
Sexta: 10h


* Outros horários podem ser abertos para pelo menos 3 alunos


VALORES PARA 2012
Plano mensal 

Aula avulsa - R$ 30
1x na semana - R$ 100
2x na semana - R$ 180
3x na semana - R$ 285



Agende sua aula experimental e sinta em seu corpo os benfícios dessa prática milenária! 

Escreva para yogainboundsp@gmail.com


Equipe Yoga Inbound 


Meditação Inbound

Bhagavad Gita 2-70

apuryamanam acala pratishtam
samudram apah pravisanti yadvat
tadvat kama yam pravisanti sarve
sa samtim apnoti na kama kami

"Aquele que não se perturba com o incessante fluxo de desejos - que são como rios no oceano, o qual está sempre sendo enchido mas sempre permanece calmo - pode alcançar a paz, não o homem que se esforça por satisfazer tais desejos".


Tour Yoga Inbound Chile

Esse ano de 2012 começou muito animado no Yoga Inbound São Paulo começou bem animado.
Em janeiro os instrutores acompanhados de amigos e alunos fizeram um Tour Inbound ao Chile visitando escolas de Yoga Inbound.

Vejam algumas fotos e nos conheçam melhor

Os belos Andes - Dizem que todo o Shakti dos Himalaias agora
estão nos Andes por causa de uma mudança no eixo da Terra.


Pelo sim e pelo não, vale a pena visitar o Chile.

O Tour Inbound Chile foi na verdade um retiro espiritual

Dhira é chileno, formado em Cinema. Além de instrutor de
Yoga Inbound também faz vídeos e é fotógrafo
Bhadri ou Bruno é biólogo e leciona para
adultos e crianças surdas e mudas


Gourangi é historiadora e sempre está no VRINDA
esperando a visita de vocês

 

Aos poucos subiremos outras fotos e também Artigos Inbound